Please enable JS

Publicações

Convocamos a todos a se somar na criação do Observatório Pernambucano de Direitos Humanos para a Crise do Covid-19

12 May /Popular Center of Human Rights / #COVID-19

O sistema de saúde pública do estado de Pernambuco já apresenta sinais de esgotamento e, com o crescente aumento da população nas ruas, desrespeitando a quarentena, o quadro deve piorar.

Para conter a rápida disseminação do COVID-19 o governo do estado de Pernambuco deve decretar um “toque de recolher”, chamado tecnicamente de lockdown, que consiste no emprego de força policial para somente permitir a abertura de estabelecimentos que ofertam serviços básicos (mercados, farmácias, hospitais, etc.), a circulação de trabalhadores/as desses estabelecimentos e consumidores.

Diante do crescimento descontrolado do número de casos do COVID-19, experiências internacionais mostram que esta é uma medida eficiente.

Porém, a execução do lockdown em Pernambuco e em boa parte do Brasil, causa preocupação por vários motivos:

(1) Inexistência de uma política que garanta segurança social, assim como a completa ineficiência do Auxílio Emergencial, está aumentando a pobreza e a miséria,  forçando as classes populares a irem às ruas em busca de sobrevivência.
(2) Grande parcela da população sobrevive em situações precárias (casa em áreas de risco, excesso de pessoas em pequenos espaço, falta de água), o que dificulta ainda mais o distanciamento social, até mesmo dentro das casas.
(3) Truculência policial cotidiana nos bairros populares, que se agrava em momentos de crise.
(4) Possível utilização das forças armadas, treinadas para o combate de inimigos, e não para abordagem social.

Diante deste contexto de exceção e potencial violação de direitos humano torna-se necessário o acompanhamento das ações do Governo do Estado de Pernambuco pelas mais diversas organizações e movimentos da sociedade civil.

É pensando nisso que surge o Observatório de Direitos Humanos do estado de Pernambuco.

O Observatório, que terá atuação permanente, inicia as atividades durante a crise do Covid-19 buscando atuar junto aos territórios mais vulnerabilizados - acumulando experiência populares bem sucedidas no combate ao COVID-19; como uma ouvidoria popular para auxiliar eventuais violações de direitos humanos, acompanhando as ações governamentais etc. - e, ao mesmo tempo, incidir junto ao governo do estado - cobrando transparência e participação popular nas reuniões do Comitê de Gestão da crise do COVID 19, exigindo o cumprimento de protocolos internacionais, assim como atuação humanizada no sistema prisional.

Quer participar? 
Para mais informações: comitelock19@gmail.com